Dê ênfase para o que é verdade, sem meias palavras.

Posted on 19 de novembro de 2013

0


Estamos assistindo a cultura de massas e a força midiática fazer um estardalhaço com o julgamento da Ação Penal 470. É uma lástima entender que a mídia envolve a população em uma verdade maquiada a respeito de casos isolados e sem provas.

Assim como não tiveram condições de argumentação suficientes e sofreram com a perseguição ativa do poder judiciário, os acusados passaram simultaneamente pelas mãos da imprensa que, não satisfeita, ainda grifou o que de mais lúdico havia na condenação.

Entendemos que da mesma perseguição sofrida pelos condenados da Ação Penal 470 – o mensalão – sofre também a Bancoop que, apesar dos inúmeros esforços para demonstrar a aproximação dos dados entre projeções e entregas, ainda encontra grupos isolados que insistem em grifar o passado, levantando dados falsos e reabrindo discussões já pontuadas pelas conquistas, atrasando assim processos que deveriam acontecer em tempo inferior ao que leva de fato.

E de quem é a culpa?

A culpa é do grupelho, que insiste em plantar inverdades e amarrar casos que poderiam estar anos luz à frente e, com isso, atrasam as conquistas dos cooperados. Fica claro que quando o grupelho não consegue anular a assembleia, tentam diretamente atrapalhar as adesões individuais, tornando o processo lento e desgastante para os cooperados. Quando todas as tentativas falham, sabemos o caminho que eles insistem em pregar a todos que se sujeitam a ser ovelhas de seu rebanho: partam para as ações judiciais e bla bla bla.

Devemos ser fortes na batalha contra essas artimanhas, e firmes na colaboração para que todos os cooperados tenham sucesso e recebam seus imóveis de acordo com o combinado, sem a demora provocada por ações inapropriadas e que só atrapalham o processo total. O interesse que a imprensa tem, no caso da Bancoop ou na AP 470, ninguém sabe qual é (e talvez nem virá a saber), mas uma coisa é fato: a frase de Joseph Pulitzer nunca encontrou tanta verossimilhança com o cenário jornalístico atual. A frase? “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma”.

Anúncios