Bancoop no Estadão. Leilão da sede?

Posted on 3 de junho de 2013

1


O Estadão publicou no dia 30 de maio um texto citando a Bancoop. Na notícia há menção a um suposto leilão da sede da cooperativa. Mencionaram o assunto como se o leilão fosse certo. Só esqueceram de dizer que essa é uma medida de praxe no Judiciário.

Na verdade, se a cooperativa pagar a multa estipulada, o magistrado cancela o leilão.

A notícia deve ter sido orquestrada pelo grupelho, que visa sempre o benefício próprio em detrimento do conjunto de cooperados do empreendimento. A juíza não teria a imprudência de leiloar um imóvel que vale mais de 10 vezes o valor da multa.

O grupelho deve ter engambelado mais um juiz, com as costumeiras mentiras. A Justiça determinou a entrega da escritura para a cooperada. Ocorre que a escritura não podia ser concedida. Conforme pode ser lido no próprio texto do Estadão, trata-se de apartamento no Bela Cintra não concluído. Como emitir escritura de apartamento que ainda não existe? Seria o mesmo que emitir certidão de nascimento para criança que ainda não nasceu e se encontra na barriga da mãe. Para um juiz dar tal determinação, somente se tiver sido enganado.

PREJUÍZO DO GRUPO

Para a maioria dos cooperados é uma decisão ruim. Beneficia o individual em detrimento do grupo.

Aliás, como pode ser lido na última edição do boletim da Bancoop, os cooperados do Bela Cintra estão negociando um acordo coletivo. Criaram uma comissão, se reuniram com a cooperativa e entre eles, analisaram documentos e informações e indicaram uma construtora para fazer os orçamentos para a conclusão do empreendimento.

No mesmo caminho, o Villas da Penha e Torres da Mooca também criaram comissões e buscam acordo para trazer a solução para todos os cooperados do grupo e encerrar a disputa judicial.

Anúncios