Negociação é a melhor solução

Posted on 14 de dezembro de 2012

0


Fazer acordo com a cooperativa é a melhor saída para quem está em litígio. Vamos recapitular: participar de uma cooperativa é um ótimo negócio. O comprador adquire um apartamento novo, a preço de custo e se livra de pagar os lucros da incorporadora.

Com o passar dos anos, a cidade de São Paulo vem vivendo um ciclo de aumento gradativo nos preços dos imóveis, com valorização por volta de 20% ao ano.

Por exemplo, um apartamento quitado em 2004, adquirido por R$ 130 mil na cooperativa, com pagamento parcelado, sofreu uma valorização tamanha que hoje o mesmo está valendo entre R$ 800 mil e R$ 1 milhão.

Negociação

Quando um empreendimento tem seu caixa deficitário, ou quando simplesmente a conta não fecha, é preciso fazer rateio entre os cooperados para que se quite as dívidas da construção, e esse rateio é previsto em contrato.

Quem precisou participar do rateio sabe que o valor total pago é muito abaixo do preço de mercado do imóvel, e sabe também que negociar é a melhor solução, pois se resolve de maneira rápida e boa para todos os lados.

A maioria absoluta dos cooperados entende que a negociação é a solução. Nas assembleias realizadas a conciliação é sempre a vontade da maioria esmagadora. Há, porém, um grupelho que não quer negociar, quer levar o processo na justiça até as últimas consequências, favorecendo somente os advogados que ganham rios de dinheiro com esses trâmites, na forma de honorários. E, claro, aqueles que ganham comissões desses advogados para incitar a manutenção das ações.

Não só os cooperados, mas também o Poder Judiciário é a favor da resolução dos litígios por meio de acordo. O Conselho Nacional de Justiça, órgão que controla administrativamente o Judiciário, organiza, todos os anos, campanhas para promover a rápida resolução de conflitos. É a chamada Semana de Conciliação. E se o próprio Poder Judiciário reconhece que conciliar e fazer acordos é a melhor saída, não há motivos para discordar. A conciliação e os acordos resolvem os casos de maneira mais rápida, criando ótimas condições para ambos os lados.

Por que é melhor?

Mas o que acarreta a ação na justiça? Na verdade, manter o caso na justiça só atrapalha o próprio cooperado. Tanto aquele que já mora quanto aqueles empreendimentos inacabados.

A escritura valoriza muito o imóvel, mas quem mantém a ação judicial, mesmo se já reside na unidade, não pode registrar o imóvel em seu nome e ainda corre o risco de ver sua unidade penhorada e ira a leilão e, no final, de a Justiça mandar pagar o valor do rateio corrigido.

Para quem ainda não tem o apartamento concluído, o prejuízo é maior ainda, pois a obra continua paralisada, o proprietário continua sem o imóvel.

Não caia na conversa do grupelho

Caro amigo cooperado, o grupelho do contra está fazendo uso político desse caso. O interesse deles não é solucionar os problemas dos cooperados. Eles só querem “ver o circo pegar fogo” para utilizar o “escândalo” em situações político-eleitorais.

Infelizmente, você, cooperado bom, está sendo manipulado por pessoas que pouco se importam com a sua atual condição financeira e de moradia, eles querem aproveitar esse momento de pressão política para obter vantagens pessoais e individuais com governos tucanos.

Não faça parte desse jogo. Faça como os outros cooperados e resolva, você também, suas pendências por acordo ou conciliação.

Anúncios