Promotora que pediu intervenção da BANCOOP é tucana

Posted on 22 de junho de 2012

1


Na quinta-feira (22) o MP-SP requereu a intervenção da BANCOOP. A cooperativa, conforme nota oficial, só tomou conhecimento da medida por meio da imprensa.

Karyna Mori, promotora de justiça do consumidor e responsável pela Ação, pediu liminarmente a intervenção da cooperativa e a indisponibilidade de bens de seus diretores. A cooperativa sequer teve acesso ao teor da ação proposta.

O pedido de intervenção judicial, assim como ocorrências anteriores, foi repercutido pela mídia de forma a se ferir os princípios básicos que regem a ética jornalística – omitiram a defesa da BANCOOP, e como sempre, tentam de forma demasiada, promover forçadamente uma ligação da cooperativa com o PT.

Nota-se que o objetivo do pedido liminar, bem como de sua exploração midiática, é criar assunto para promover embates no pleito eleitoral deste ano. Mais que isso, é antes do veredito, dar a sentença ao PT. A decisão traz instabilidade e prejudica os cooperados que buscam resolver sua situação por meio de acordo e não pelas vias judiciais.

Para o advogado Pedro Serrano, é nítido o uso eleitoral que fazem do caso. Serrano relembra que o mesmo MP firmou Acordo Judicial com a cooperativa, considerado legal pelo TJ,  agora demorou quase um ano para propor a ação – O MP está tentando reiniciar algo que já existe, ofende a regra do processo civil, viola coisa julgada. É um erro formal grave”. Segundo o advogado, a demora do Ministério Público parece fazer parte de uma ação orquestrada, que visava adiar o caso e levá-lo à tona em meio às eleições, dando  tratamento político e não jurídico, como  a demanda deveria ter.

Pontos que merecem questionamento

  • Porque a BANCOOP não teve acesso ao teor da ação proposta pelo MP?
  • Há quase um ano o pedido de intervenção foi indicado pelo Conselho Superior Público, porque somente agora, às vésperas das eleições municipais e com o Acordo Judicial sendo executado, é feito o pedido liminar com alegação de urgência?
  • Quais medidas solucionadoras a partir do pedido liminar vão beneficiar os cooperados?

A promotora Karyna Mori alega que o atual presidente da BANCOOP teria impedimentos de prosseguir no desempenho de sua função por ser militante do PT na cidade de Santo André e coordenador da campanha local. Entretanto, as ressalvas feitas ao dirigente não são seguidas por ela no exercício de sua função.  Em seu perfil no twitter, verificamos que a promotora do MP paulista é tucana confessa (“claro que meu voto é PSDB” – twitada feita em 2010), na ocasião, Karyna também utilizou a rede social para ridicularizar a imagem da então candidata Dilma Rousseff.

Anúncios