Estadão omite que tucanos abrigam aliados e filiados em estatais de SP

Posted on 13 de abril de 2012

1


A grande mídia não mede esforços. Querem liquidar de vez o caso Demóstenes. Correligionários do PT começam a pautar as matérias dos aliados de Carlinhos Cachoeiras e do senador Demóstenes. Querem conter o ímpeto da CPI para que não sejam investigadas as ligações suprapartidárias “do alto empresariado” de jogos de Goiás.

Mais uma matéria tendenciosa do Estadão

Conselhos de estatais mantêm ex-ministros e aliados do governo

A matéria publicada pelo jornal no último dia 8, fala sobre ex-ministros e aliados do governo que são mantidos pelos Conselhos de Estatais. Os nomes que figuram na lista ou são de membros do PT, ou da base aliada governista. O jornal coloca em xeque a “faxina” feita pela presidente Dilma. Mais, o Estadão passa a ideia de que malfeitores afastados, ou aliados são agraciados com dinheiro público para continuarem na base governista. Alguns dos nomes são: Arthur Henrique, presidente da CUT, o ex-ministro do Trabalho e do Emprego, Carlos Luppi (PDT), o nome de João Vaccari Neto (PT) também compõe a lista apresentada pelo jornal. Mais uma vez, o tesoureiro nacional de finanças do PT, e ex-presidente da BANCOOP, é alvo. Tratam os nomes como se falassem de criminosos pelo fato de pertencerem ao governo Dilma. Não citam os conselheiros nomeados no governo tucano.

As omissões do Estadão para poupar o PSDB

Embora o jornal omita, o governo do Estado de São Paulo utiliza “as vagas a que tem direito” para abrigar aliados e correligionários. A lista de conselheiros das estatais é extensa. Os ganhos dos conselheiros nomeados pelo governo do estado de São Paulo vêm subindo desde 2004. Em 2007, no início do governo de José Serra, os honorários mensais subiram de 20% para 30% do salário dos diretores da empresa. Em 2010, os 223 conselheiros de administração das estatais paulistas receberam, ao todo, R$ 9,5 milhões em salários e gratificações.

Abaixo, alguns dos nomes que tiveram abrigo tucano. Começamos alista com o nome de nosso ilustre governador. Leia os nomes e perceba o “nepotismo” presente nas nomeações.

  • Geraldo Alckmin (PSDB) – CONSULTI-CODEGRAN
  • Alberto Goldman (PSDB)- Sabesp
  • Deuzeni Goldman – SEAD
  • Andrea Matarazzo (PSDB) – Fundação Memorial da América Latina
  • Claudia Matarazzo Mieli – IMESP
  • Aloysio Nunes Ferreira Filho – CESP
  • Saulo Castro – DERSA
  • Sidney Beraldo – SABESP
  • Andreia Calabi – SABESP
  • Alamino Afonso (Relações Institucionais)
  • Paulo Renato Souza – Foi conselheiro da CPOS
  • Guilherme Affif Domingues (PSD) – ACPS e Fundação Memorial da América Latina
  • José Gregori – EMAE – responsável pelo comitê financeiro da campanha de José Serra
  • Nelson de Almeida Prado Hervey Costa – IMESP
  • João Batista de Andrade – DERSA – ex-secretário de cultura é conselheira
  • André Luis Lacerda – CESP – jornalista e ex-assessor especial de José Serra
  • Juliano Nobréga – CESP – atuou na comunicação da campanha de Geraldo Alckmin
  • Soninha Francine (PPS) – CETESB
  • João Fautisno (PSDB) – CETESB
  • Raul Beles Jungmann Pinto (PPS) – CET
  • Pedro Salomão José Kassab – CEE
  • Lars Shimidt Grael (PMDB) – CRD

Podemos conferir a lista na íntegra clicando aqui.

Bruno Covas (PSDB), deputado licenciado e atual secretário de Meio Ambiente, é Conselheiro da INVESTE São Paulo. Disso ninguém fala. Mas no período em que ele atuou como relator da CPI da BANCOOP, a mídia lhe conferiu status de herói.

Porque o Estadão não fala NADA dos 223 conselheiros nomeados pelos tucanos de SP?

Até quando os fatos relacionados ao PT serão tratados como crime?

Até quando os fatos só serão verdade se forem noticiados por veículos como VEJA e Estadão?


Anúncios