Lula não pode arriscar a vida por uma campanha eleitoral

Posted on 5 de março de 2012

0



Na noite de 31 de outubro de 2010 fui com a família à avenida Paulista comemorar a vitória de Dilma Rousseff. Um grupo de amigos reunira-se em um dos bares do quarteirão da rua Joaquim Eugênio de Lima com a avenida, que ficou conhecido como “Prainha Paulistana”. Ali, encontrei Marcos Lula, um dos filhos do então presidente da República.

Conversa vai, conversa vem, Marcos me confidenciou a dificuldade instransponível para convencer seu pai a se afastar de atividade que tanta dor tem trazido à sua família nos últimos tempos, desde que o ex-presidente anunciou que estava sofrendo de câncer, em razão dos ataques políticos que não o poupam nem em momento de tanta dificuldade.

Segundo o filho de Lula, seu pai sempre prometeu à família que um dia deixaria a política, mas esse dia nunca chegou. E, assim, a família inteira vai tendo que conviver com os sucessivos ataques ao patriarca, os quais sempre conseguem ser mais rasteiros e desumanos do que os anteriores.

Na semana passada, reuni-me com amigos na inauguração da nova sede do Centro de Estudos Barão de Itararé, na rua Rego Freitas, no prédio em que fica o Intervozes. Entre sindicalistas, militantes, jornalistas, diplomatas e políticos, não encontrei uma só pessoa que não concordou com a tese de que Lula deve virar alvo de pesada artilharia, nos próximos meses.

Todos lembraram o quanto a direita midiática está assustada com a entrada dele no processo eleitoral de 2012 e de como, desse medo, têm emanado os ataques mais virulentos, baixos e covardes que se possa conceber. E de como aumentarão ainda mais se Lula voltar ao palco político.

No fim da tarde de domingo, os portais de internet anunciavam a nova internação de Lula, desta vez por conta de infecção pulmonar e febre. Há algumas semanas, fora internado por dores na garganta e dificuldade de deglutir.

Eu e minha família temos comentado que a aparência de Lula não nos está agradando. Em nossa opinião, o ex-presidente está claramente sentindo mais o tratamento do que a presidente Dilma. Talvez pela localização de seu tumor, talvez pelo fato de que mulher é mais forte, só sei que o fato é que Lula ficou impressionantemente abatido.

Qualquer pessoa comum, sofrendo do mal que acomete o ex-presidente, se afastaria por completo de atividades desgastantes tanto do ponto de vista emocional quanto físico, como sói ser uma campanha eleitoral – ainda mais em um país como o nosso, onde política é uma guerra em que abundam os golpes baixos.

Luiz Inácio Lula da Silva já fez o que podia pelo país. Trabalhou como um cavalo durante seus 8 anos na Presidência. Jornadas de trabalho ocupavam dois terços dos seus dias, fins de semana inteiros eram dedicados à política. Ninguém pode exigir mais nada desse homem. Doente como está, participar de campanha suja como a que vem por aí, é loucura.

 

Por Eduardo GuimarãesBlog da Cidadania

Anúncios
Marcado:
Posted in: Grande Mídia