A falha e ineficiente política habitacional do PSDB

Posted on 6 de janeiro de 2012

0



O Jornal Folha de S. Paulo, nos últimos dias, publicou diversas matérias que apontam graves problemas na política de habitação de Geraldo Alckmin (PSDB) em São Paulo. Entretanto, os problemas que assolam esta questão são bem maiores do que se têm notícia.  Não se pode fazer vista-grossa à necessidade urgente que o nosso estado têm no que se refere a políticas públicas para habitação e planejamento urbano.

A primeira matéria publicada pelo jornal, na primeira semana do ano, fala da entrega dos imóveis do CDHU a moradores da cidade de Ribeirão Preto, interior do estado, no dia 28 de dezembro de 2011 – “São 250 casas novinhas, feitas com qualidade, todas com energia solar, infraestrutura, água, esgoto, luz, iluminação pública, asfalto”, disse Alckmin durante a solenidade de entrega. Porém, as moradias, ocupadas há pouco mais de uma semana, já apresentam graves problemas como vazamento de água, esgoto, infiltrações e são alvo de reclamação dos moradores.

A pia “despencou” antes mesmo de ser utilizada. Este é apenas um dos problemas encontrados pelos moradores nas casas do CDHU de Alckmin.

Segundo a Folha, foram verificadas 20 casas e nelas, nenhum dos aquecedores solar estava funcionando, o que contraria o objetivo do projeto que é promover a economia da energia elétrica. São uma série de problemas encontrados que vão desde as infiltrações, até janelas que não abrem ou fecham. Os moradores estão preocupados com a necessidade dos reparos que devem ser efetuados.

Outra matéria, do dia 05, mostra que ao menos 442 casas que já foram entregues em atos políticos, estão desocupadas. Até o presente momento, o governo do estado não apresentou uma justificativa contundente sobre o assunto.

Falta vontade política para resolver

De acordo com dados do CENSO IBGE 2010, o número de domicílios vagos no Brasil é superior ao déficit habitacional do país. São Paulo é o estado com maior número de domicílios vagos, que juntos somariam 1,112 milhão.  Segundo o arquiteto e urbanista Jorge Wilheim, o estado deve fazer uso de políticas públicas que estimulem a reocupação das moradias que se encontram vazias. Na melhor das hipóteses, se todos imóveis vagos oferecessem condições de uso, seria necessário construir cerca de 15 mil unidades para solucionar o déficit habitacional de São Paulo.

A questão habitacional de SP além de muito ampla, é cheia de gargalos. Sabemos que para solucionar os problemas são necessárias medidas a curto e longo prazo, que vão desde regularização fundiária, ampliação de programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida, reurbanização, remoção de famílias que moram em áreas de risco a muitas outras medidas que não têm sido adotadas pelo governo de Geraldo Alckmin. Acima de tudo, é urgente que as ações sejam pensadas e executadas dentro do essencial planejamento urbano.

A BANCOOP – Cooperativa Habitacional dos Bancários do Estado de São Paulo, surgiu nos anos 90 a partir da iniciativa de membros do movimento sindical que perceberam a grande demanda por moradias existente na época. Desde então, a BANCOOP tem promovido a realização do sonho da casa própria por meio do cooperativismo. São mais de 5 mil imóveis com preço de custo entregues ao trabalhador do Estado de São Paulo.

Anúncios
Posted in: Grande Mídia